DIREITO A MEMÓRIA E A VERDADE
PARA QUE NÃO SE ESQUEÇA / PARA QUE NUNCA MAIS ACONTEÇA

10 fevereiro 2017

SE O FIM DO CAPITALISMO TARDAR, NÃO HAVERÁ MAIS HUMANOS.

Numa coluna surpreendente, intitulada Fim do capitalismo não tornaria o homem mais 'humano' (vide aqui), Delfim Netto reduz o homem a "um animal territorial, dotado pela evolução biológica de um terrível e perigoso instrumento — a sua inteligência"; afirma que não se descobriu ainda como evitar que continue exterminando seus iguais (uma tendência que o diferencia de todos os outros animais); e diz ser duvidosa a hipótese de que se humanizará antes que "produza sua própria destruição".

Parece estar abalado com o advento da era Trump, quando o capitalismo volta a se mostrar tão desumano quanto o era na fase mais selvagem, além de ter elevado sua iniquidade intrínseca à enésima potência.

Enfim, aos 88 anos, Delfim chega finalmente à idade da razão. E deve estar contemplando a obra de sua vida com a mesma perplexidade do dr. Frankenstein face à criatura: terá sido para isso que serviu caninamente aos piores ditadores e acumpliciou-se com o festival de horrores resultante das 15 assinaturas de ministros (uma delas a sua) aprovando a instituição do AI-5?!

Numa provável tentativa de exorcizar os fantasmas que lhe tiram o sono, escreveu um texto na linha de que, se o capitalismo conduziu a humanidade a "uma desigualdade insuportável", o fim do capitalismo também não conseguiria civilizar os homens.
____________________________
.
"A desigualdade aumentou tal maneira que uma ínfima minoria acumulou poder suficiente para impor sua vontade à imensa maioria dos seres humanos"
.____________________________ 

Quer acreditar que, numa encruzilhada do destino, a opção existente era entre dois caminhos igualmente ruinosos. Isto o aliviaria um pouco de sua culpa por ter escolhido a via que levou a resultados catastróficos, a ponto de o Brasil estar em frangalhos e a própria sobrevivência da humanidade encontrar-se gravemente ameaçada.

Deixa, contudo, de considerar um dado fundamental da equação que tenta montar: o de que os animais brigam com outros animais e defendem com unhas e dentes seu território por uma questão de sobrevivência. Precisam garantir alimentação e abrigo para si e para o grupo a que pertencem, caso contrário sucumbirão à fome, ao frio, às intempéries, etc.

Foi também devido à escassez que os homens passaram milênios competindo encarniçadamente uns com os outros. Inexistindo o suficiente para todos terem tudo de que necessitavam para uma existência digna, o quero mais a que alude Delfim forneceu o impulso decisivo para irem, pouco a pouco, desenvolvendo as forças produtivas. A motivação egoísta acabava sendo uma espécie de motor do progresso, ainda que obtido graças ao enorme sofrimento e mazelas terríveis que desabavam sobre os mais fracos.
O fantasma da escassez deixou de nos assombrar.

EraNão é mais, pois a barreira da necessidade foi afinal transposta e hoje já dispomos de conhecimento científico e meios tecnológicos para a produção do que é realmente preciso para todos vivermos sem privações e sem o estresse que a competição exacerbada causa.

O que ainda nos impede de alcançarmos uma existência feliz e plena, em lugar do atual pesadelo globalizado? 

O capitalismo, claro! Ou, mais precisamente, o fato de que ele fez a desigualdade aumentar de tal maneira que uma ínfima minoria acumulou poder suficiente para impor sua vontade à imensa maioria dos seres humanos.

E, em nome da perpetuação de um status quo que só a ela beneficia, arrasta a humanidade a uma crise econômica que se prenuncia avassaladora e à destruição do equilíbrio ecológico sem o qual nossa espécie se extinguirá.

Só sobreviveremos se nos unirmos para deter a atual marcha da insensatez, fazendo com que o bem comum prevaleça sobre os interesses mesquinhos que nos estão levando à beira do abismo.

E, se formos capazes disto, certamente também o seremos para, em seguida, construirmos uma sociedade verdadeiramente humana. (por Celso Lungaretti)

SOBRE O MESMO ASSUNTO, LEIA TAMBÉM:
DALTON ROSADO: "DELFIM NETTO NOS VÊ COMO ETERNOS CONDENADOS AO FRATRICÍDIO"



… leia na íntegra e comente


06 fevereiro 2017

É HORA DE TERMOS NOVAMENTE O CÉU COMO BANDEIRA E DE VOLTARMOS A TOMAR A HISTÓRIA NA MÃO!

No início do ano letivo de 1968, sem que ninguém esperasse, a repressão da ditadura atacou com bestialidade extrema um restaurante para estudantes carentes no Rio de Janeiro, acabando por matar a tiros um secundarista de apenas 16 anos, Edson Souto.

O movimento estudantil brasileiro, que tinha sido praticamente extinto pela repressão em 1964, já tentara renascer nas chamadas  setembradas  de 1967, mas a violência dos usurpadores do poder novamente havia prevalecido. Em março de 1968, no entanto, os estudantes voltaram às ruas... para ficarem! Com  a certeza na frente, tentando tomar  a História na mão, marcaram fortemente sua presença ao longo do ano.

Aprofundando um pouco a análise, podemos dizer que o final da década de 1960 marca a transição da sociedade rígida e patriarcal, característica da fase da industrialização, para o amoralismo da sociedade de consumo, em que tudo e todos devem estar disponíveis para o mercado.

Então, de certa forma, a contestação à autoridade de autoridades, reitores, sacerdotes, doutores disso e daquilo, dos luminares da sociedade em geral, convinha ao próprio capitalismo, que estava passando da etapa das grandes individualidades para a da liderança participativa. O foco passaria a ser o consumidor, o cidadão comum, em lugar do grande homem, a personificação da elite.

Respirava-se antiautoritarismo. As artes passavam por um momento de ousadias e experimentalismo no mundo inteiro, a imprensa se modernizava a olhos vistos, a liberalização de costumes e a liberação sexual entravam com força total. O movimento estudantil, estimulado pelos ventos de mudança, foi fundo na tarefa de  derrubar as prateleiras, as estátuas, as estantes, as vidraças, louças, livros, sim! 

E, no hiato entre a etapa capitalista que terminava e a que ia começar, muitos jovens sonharam com algo maior: uma sociedade sem classes, em que não existisse a exploração do homem pelo homem e na qual a economia se voltasse para a satisfação das necessidades humanas em vez de ser regida pela ganância. Um ideal simbolizado por Che Guevara, o último revolucionário internacionalista de dimensões míticas, com seu corpo cheio de estrelas e tendo  el cielo como bandera.

Mas, a repressão brutal desencadeada pela ditadura, principalmente após a assinatura do AI-5, inviabilizou a mudança maior que muitos pretendiam. Então, sobre a terra arrasada, o que floresceu foi mesmo a sociedade de consumo.

A classe média, eufórica com o milagre brasileiro, tratou é de enriquecer. E a esquerda estava tão debilitada pela perda de seus melhores quadros que pouco pôde fazer contra a conjugação de  boom  econômico e terrorismo de estado.

O movimento estudantil de 1968 foi, portanto, resultado de circunstâncias especiais e únicas. Daí não poder ser comparado com o de hoje (como muitos fazem, para depreciá-lo), quando os jovens, ademais, têm de esforçar-se no limite de suas forças para começarem bem uma carreira, o que acaba fazendo-os desinteressarem-se por quase todo o resto.
.
COMPETIÇÃO OBSESSIVA
.
A própria dificuldade insana que encontram para afirmar-se profissionalmente deveria levá-los a refletir sobre as distorções da sociedade atual. A competição obsessiva que aborta talentos e condena tanta gente a não desenvolver seu potencial é um dos horrores do capitalismo globalizado.

Então, é tempo de os estudantes começam a se indagar sobre a validade de continuarem nesse funil perverso, passando por cima dos despojos dos que tombarem no caminho, com enorme possibilidade de, adiante, baterem com o nariz na porta, à medida em que a crise do capitalismo for aprofundando-se e o descompasso entre a oferta de empregos para profissionais com formação superior e o contingente de candidatos dela dotados a buscarem empregos se tornar  cada vez maior, condenando a grande maioria à frustração e ao exercício de funções sem nada a ver com aquelas para as quais se capacitaram.

Desde a onda de ocupações iniciada em 2007 pela tomada da reitoria da USP em 2017, o movimento estudantil brasileiro vem tentando renascer. Mas, uma década depois, ainda está longe de atingir a amplitude e a consistência do de 1968, talvez por não haver tido como fermento a truculência e o obscurantismo de uma ditadura, contra a qual, necessariamente, os melhores seres humanos tomavam partido.

Mas, Zuenir Ventura está certo: 1968 foi um ano que não terminou. A revolução ainda voltará a identificar-se com as flores e as primaveras, depois deste inverno da desesperança que nos foi imposto.
Ainda veremos outras primaveras como as de Paris e de Praga, pois há uma lição que a História várias vezes nos ensinou: a humanidade não aguenta viver indefinidamente sem solidariedade e compaixão.

O mundo se tornou um lugar muito ruim para se habitar sob o neoliberalismo, ainda mais na versão selvagem que Donald Trump agora nos tenta enfiar goela abaixo. Algo tem de mudar – e esta mudança precisa começar o quanto antes, para deter a marcha da insensatez enquanto ainda existe algo para salvarmos.

E, depois dos terríveis fracassos a que a esquerda domesticada, populista e reformista nos tem conduzido ao longo deste século, a esperança de volta por cima é encarnada pelas novas gerações, pela juventude que ainda é capaz de sonhar com uma sociedade igualitária e justa, e de lutar com todas as suas forças para concretizar este sonho. 

Temos de aprender a lição que a História, ultimamente, não cansa de nos ensinar: os que se contentam com um mínimo, acabam ficando sem nada. É hora de voltarmos a mirar o prêmio máximo, aquele pelo qual vale realmente a pena lutar: o fim do capitalismo. E é a juventude que pode e deve encabeçar esta luta.

Lembrando a grande música do Sérgio Ricardo: se você não vem, eu mesmo vou brigar.

Lembrando o Edu Lobo dos melhores momentos:   vou ver o tempo mudado e um novo lugar pra cantar.

Lembrando o Raulzito, profeta da sociedade alternativa que nos serve de inspiração para transformarmos a sociedade como um todo a gente ainda nem começou(por Celso Lungaretti)

… leia na íntegra e comente


02 fevereiro 2017

UM NOVO 1968 PODE ESTAR COMEÇANDO

O protesto dos estudantes contra a palestra ultradireitista...
Esta notícia é atual:
.
"O campus da Universidade da Califórnia em Berkeley foi fechado nesta quarta-feira (1) em meio a um protesto violento contra uma palestra do editor do site de extrema-direita Breitbart, Milo Yiannopoulos.

...A polícia ordenou que os manifestantes da universidade se dispersassem e, de acordo com a rede de TV americana CNN, pelo menos um incêndio foi iniciado pelos manifestantes".

Este trecho de um ótimo artigo da revista Cult, assinado por Sean Purdy (professor do departamento de História da USP), nos mostra o papel histórico que tal universidade desempenhou na década de 1960:
                                                                                                              .
"A primeira grande mobilização do movimento estudantil nos Estados Unidos aconteceu na Universidade da Califórnia em Berkeley em 1964-1965 sobre o direito dos estudantes de organizar atividades políticas no campus, já que, nos anos 1950, os administradores dessa renomada universidade pública haviam banido tais atividades.

No outono de 1964, estudantes abertamente organizaram atos no campus em solidariedade ao movimento negro para desafiar as proibições. O aluno Jack Weinberg foi preso pela polícia e uma manifestação espontânea de 3 mil estudantes cercou o carro da polícia, proibindo-o de partir por 32 horas. Por dois meses, estudantes continuaram organizando grandes atos e manifestações sob a bandeira do Movimento pela Livre Expressão. Em dezembro, alunos ocuparam o principal prédio da administração da universidade. A polícia entrou e mais de 700 alunos foram presos.
...veio na sequência das manifestações de repúdio a Trump. 

Em janeiro, a universidade suspendeu os líderes da ocupação, provocando uma greve estudantil e manifestações amplas que efetivamente fecharam a universidade. Logo depois, a administração da universidade cedeu e atividades políticas foram permitidas no campus.

O Movimento pela Livre Expressão obteve uma vitória importante, inspirando a organização estudantil no país inteiro. Com a aceleração da guerra no Vietnã, a SDS e outras organizações montaram campanhas nacionais contra a guerra e contra o serviço militar obrigatório".

Estamos passando por momento semelhante, com uma difusa insatisfação entre os jovens dos EUA e Europa, cientes de que a crise econômica colocará enormes obstáculos no seu caminho para a inserção profissional e sucesso nas futuras carreiras. 

Os avanços autoritários pipocam em várias nações e a recém-iniciada presidência de Donald Trump vai na contramão de quase tudo que é belo, digno e justo na face da Terra, ameaçando tanger a humanidade para uma nova Idade Média ou mesmo para o extermínio (em função de seus desvarios ambientais).

Não é utópico trabalharmos com a hipótese de que os EUA novamente se dividirão entre uma embotada e intolerante parcela reacionária e uma ampla frente comum de pessoas esclarecidas e idealistas, dispostas a deter a marcha para a insensatez trumpiana. 
Trump poderá bisar o papel da Guerra do Vietnã: o de aberração contra a qual os melhores se unem.
Sendo que, desta vez, a correlação de forças não será maioria silenciosa x minoria estridente, mas, provavelmente, meio a meio (não esqueçamos que a o apresentador de reality show só ganhou permissão para tocar o terror graças ao estapafúrdio sistema eleitoral estadunidense, pois foi sua hilária adversária quem obteve maior quantidade de votos).

E, com os rigores que se abatem sobre a Europa, tudo leva a crer que uma escalada de protestos estudantis e outras manifestações de inconformismo contra as políticas de Trump repercutirá instantaneamente no velho continente, alavancando o ressurgimento, em larga escala, da contestação jovem.

Um novo 1968 não só é possível, como pode já estar começando. (por Celso Lungaretti)

… leia na íntegra e comente


31 janeiro 2017

OS 20 ANOS DA MORTE DO PAULO FRANCIS: É HORA DE AVALIARMOS SUA TRAJETÓRIA COM UM POUCO DE COMPREENSÃO.

"Infelizmente, nós, 
que queríamos preparar o caminho para a amizade, 
não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos. 
Mas vocês, quando chegar o tempo
em que o homem seja amigo do homem, 
pensem em nós
com um pouco de compreensão."
(Brecht, Aos que virão depois de nós)
.
No próximo sábado, 4, duas décadas terão transcorrido desde a morte do analista político e crítico de cultura Franz Paul Trannin da Matta Heilborn, mais conhecido como Paulo Francis. Ele foi vítima de enfarte, aos 66 anos de idade.

Os acontecimentos posteriores vieram, por um lado, provar que ele tinha carradas de razão nas acusações de corrupção que fazia à Petrobrás, tidas por muitos como causa do seu óbito (andava muito assustado com o processo milionário que a estatal lhe movia nos EUA).

E,  por outro lado, colocaram por terra sua ilusão de que, nas asas da 3ª revolução industrial, o capitalismo conduziria a humanidade ao Paraíso. Ledo engano. Com uma depressão pior ainda que a da década de 1930 se desenhando no horizonte, danos ambientais cada vez mais ameaçadores e Donald Trump tudo fazendo para botar fogo no circo, hoje se teme inclusive pela sobrevivência da espécie humana.

Os mais jovens, que não conheceram o Francis d'O Pasquim e da vibrante participação inicial na Folha de S. Paulo (quando esta ainda tinha como diretor de redação o inesquecível Cláudio Abramo, defenestrado pelos militares em 1977), guardam dele a imagem negativa, antipática, de sua última fase.

Eu não considero Francis um típico esquerdista que endireitou ao se tornar sexagenário, conforme a frase célebre do ex-presidente Lula.

Prefiro vê-lo como quem caiu numa armadilha da História, pois suas convicções arraigadas e um cenário enganador o induziram a um terrível erro de avaliação. E não sobreviveu tempo suficiente para cair na real e, talvez, corrigir seu rumo.

Para um melhor entendimento do que estou falando, vou lembrar sua trajetória toda.

Ele estudou em colégios de jesuítas e beneditinos, cursando depois, por uns tempos, a Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil. Trocou-a por uma pós-graduação em Literatura Dramática na Universidade de Columbia (Nova York), que também não concluiu.

Chegou a ser ator e diretor teatral, mas acabou no nicho tradicional dos que são melhores para escrever sobre suas paixões artísticas do que para personificá-las: a crítica, a partir de 1959, no Diário Carioca.

Paralelamente, colaborava com a revista Senhor (que mais tarde viria a editar) e escrevia sobre política no jornal Última Hora, de Samuel Wainer.

Relatou, mais tarde, um episódio pitoresco do seu noviciado. Entregou uma crítica teatral toda pomposa, repleta de termos pernósticos, ao seu editor. Ao recebê-la de volta, viu um grosso traço vermelho circundando a expressão “via de regra”. E o comentário: “Via de regra é a buc...”.

[Para os jovens que desconhecem o linguajar de outrora, esclareço que regras era um eufemismo para menstruação.]

Francis disse que essa foi a primeira e única lição aproveitável de jornalismo que recebeu: escrever com simplicidade e clareza, em vez de pavonear-se com exibições desnecessárias de erudição.

Também comentou que tudo que há para se aprender de jornalismo, aprende-se em 15 dias numa redação. Daí sua avaliação de que o fundamental para o exercício dessa profissão é uma formação cultural sólida, humanística e universalizante.

Ou seja, jornalismo tem tudo a ver com história, sociologia, psicologia, antropologia, filosofia, política, economia, literatura. Isto, sim, é que deveria ser priorizado na formação de um jornalista, segundo Francis (para ele, o mero ensino de técnicas era algo secundário, mais apropriado para liceus de artes e ofícios).

Era, aliás, assim que o lecionavam, p. ex., na Escola de Comunicações e Artes da USP quando a cursei, entre as décadas de 1970 e 1980: os dois primeiros anos voltados para a formação geral e só os dois últimos para a específica. Depois, tragicamente, sobreveio a capitulação diante do capitalismo pós-industrial, que execra o pensamento crítico e reduz o ensino à mera capacitação profissional.

NA TRINCHEIRA DAS PALAVRAS
.
Embora não deixasse de registrar os erros e limitações das esquerdas brasileiras, por ele tidas como muito distantes da grandeza histórica e intelectual do seu ídolo de então – Trotsky, o teórico da revolução permanente e mártir da oposição de esquerda ao stalinismo –, Francis considerava que a prioridade era combater as forças de direita.

Foi o que fez no conturbado período da renúncia de Jânio Quadros, da tentativa de golpe para impedir a posse do vice-presidente eleito e do ziguezagueante governo de João Goulart.

Não desistiu depois do golpe militar. No Correio da Manhã, na Tribuna da Imprensa e na revista Realidade, continuou manifestando seu inconformismo com o país da ordem unida.

O lançamento do semanário O Pasquim, em junho de 1969, lhe deu projeção nacional. A Senhor e a Realidade já o haviam tornado conhecido em outros estados, mas num circulo restrito de intelectuais e pessoas sofisticadas. O Pasquim sensibilizou o público jovem, atingindo tiragens mirabolantes para um veículo alternativo.

E o Francis era o guru da turma em todos os assuntos referentes à política nacional e internacional, bem como à visão de esquerda da cultura. Com seus conhecimentos vastíssimos, dominava qualquer discussão.

Leitor assíduo de um sem-número de publicações estrangeiras, tinha sempre algo novo a dizer sobre a Guerra do Vietnã, um dos grandes temas da época.

Furando toda a grande imprensa, Francis, n'O Pasquim, foi o primeiro a informar os leitores brasileiros sobre o massacre de My Lai, que fez crescer em muito o repúdio mundial à intervenção estadunidense.

Disponibilizava as informações que a grande mídia, por ideologia, covardia ou incompetência, sonegava do seu público.

Era também um crítico implacável da postura israelense de impor sua vontade pela força no Oriente Médio, o que lhe acarretava acusações rasteiras de que isto se deveria à sua ascendência alemã.

Uma boa mostra da qualidade do seu trabalho jornalístico e das devoções que o inspiravam está no seu abrangente artigo sobre o aniversário da revolução soviética (vide parte 1 e parte 2).
Foto que soldado dos EUA tirou dos mortos de My Lai

E, sendo um dos opositores mais contundentes do reacionarismo dos EUA, também não poupava a URSS, que colocava praticamente no mesmo plano, como grande potência que priorizava sempre seus interesses (e não os da revolução). Isso só fazia aumentar o seu prestígio aos olhos de uma geração que se decepcionara terrivelmente com o esmagamento da Primavera de Praga.

Cansado de ser preso pela ditadura, mudou em 1971 para Nova York, de onde mandava seus textos para o próprio Pasquim, a Tribuna da Imprensa, a revista Status e a Folha de S. Paulo (à qual chegou pelas mãos do diretor de redação Cláudio Abramo, também de formação trotskista).

Continuava, basicamente, um homem de esquerda, mas travava polêmicas azedas com quem ele considerava esquerdistas de salão, como a feminista Irede Cardoso. [Ela sofreu um dos maiores massacres intelectuais de que tenho notícia.]
.
SOB OS HOLOFOTES GLOBAIS
.
Paulo Francis, como muitos outros intelectuais de sua geração, foi perdendo o pique à medida que a ditadura ia deixando de exibir suas garras. Seu talento sobreviveu à ditadura, mas definhou na praia da redemocratização.

A partir de seu posto de observação privilegiado, captou bem a tendência desestatizante do final do século passado.

E foi quando toda sua história de opositor ferrenho da estatização compulsória e autoritária que caracterizaram o stalinismo fê-lo cometer um desatino: ajudou entusiasticamente a impulsionar a desestatização de Thatcher e Reagan, com seus escritos em O Estado de S. Paulo e suas participações no jornalismo da Rede Globo, bem como no programa de TV a cabo Manhattan Connection.

Se estava certo quanto à falta de pujança da economia soviética e o parasitismo das estatais brasileiras, não percebeu que o mundo engendrado pela globalização viria a ser uma versão mais desumanizada ainda do capitalismo selvagem.

O oásis que vislumbrou era ilusório. Todos aqueles avanços científicos e tecnológicos que estavam ocorrendo simultaneamente com o deslanche da 3ª revolução industrial na década de 1990 (informática, biotecnologia, engenharia genética, novos materiais, novos processos) pareciam mesmo augurar um futuro melhor para a humanidade... mas desembocaram, isto sim, numa forma mais avançada de dominação, como Marcuse previra com grande antecedência. A ciência e a tecnologia ajudando a perpetuar a desigualdade social, as injustiças mais aberrantes e o embotamento do senso crítico.

Só que não era tão fácil adivinhar-se tal evolução naquele instante de enorme otimismo e euforia, assim como poucos em 1970 apostariam que o milagre brasileiro de Delfim e Médici fosse ter fôlego tão curto.

A intuição de Francis o traiu quando mais precisava dela, para evitar a nódoa final numa biografia impecável.

Acabou como um daqueles medalhões midiáticos que antes ridicularizava, aclamado mais por ter se tornado celebridade do sistema do que pela real qualidade do seu trabalho – como suas incursões pela literatura, em que a racionalidade e a mordacidade excessivas deixam tudo com um jeitão artificial, de tramas concebidas mecanicamente para demonstrar teses, ridicularizando comportamentos e desafetos.
A justiça tardou, mas a quadrilha foi, enfim, desbaratada.
Morreu na hora certa, antes  que o admirável mundo novo erguido sobre os escombros do muro de Berlim mostrasse suas feições monstruosas, sepultando, en passant, as análises e avaliações que Francis fazia em seus últimos escritos – os quais acabaram se revelando, mesmo, agônicos...

Ou, pelo contrário, talvez tenha perdido a chance de constatar que o fim do socialismo real não significava o fim da História, com o capitalismo logo atingindo seu limite extremo de expansão e passando a sobreviver em crise permanente no século 21, quando só consegue protelar a inevitável debacle promovendo um rodízio dos rigores (que vão sendo impostos a país após país) e recorrendo a artificialidades como a emissão de dinheiro sem lastro e a concessão exagerada de crédito.

Quem sabe até, em mais uma reviravolta surpreendente, não teria sido ele um dos arautos da nova utopia de que a humanidade tanto carece nos dias atuais?

O certo é que, independentemente de, em seus estertores, haver-se extraviado num labirinto do destino, foi um intelectual articulado e consistente como dificilmente se vê nestes tristes trópicos, deixando o legado de uma atuação memorável nas décadas de 1960 e 1970.

Talvez o melhor epitáfio para Paulo Francis seja outra de suas frases célebres: "Não há quem não cometa erros e grandes homens cometem grandes erros". (por Celso Lungaretti)

… leia na íntegra e comente


As Mais Lidas Aqui

 
 

Diversos e Afins

Free PageRank Checker Powered by FeedBurner
Central Blogs

Creative Commons License
Creative Commons 3.0 Brasil License

Fotos do Topo do Blog
Passeata - Evandro Texeira
Liberdade - Internet
MST - Oscar Niemeyer

eXTReMe Tracker

Guardados

Visitantes e Navegantes


Falando Sobre

1968 (5) 1ª Guerra Mundial (1) 7 de setembro (1) 90 Anos PCB (2) A Barca do Sol (1) A respeito do Blog (2) Abertura Arquivos (7) ABI (2) Abílio Diniz (2) Abu (1) aburguesamento (1) abuso de poder (1) Ação Popular (1) ACM (2) Adail Ivan de Lemos (1) Adhemar de Barros (2) Adolf Hitler (4) Adriana Tanese Nogueira (2) Aécio Neves (17) AF Sturt Silva (233) África (1) África do Sul (8) agiotagem (1) Agricultura Sustentável (2) Agronegócio (40) Agrotóxicos (4) AGU (15) Água (3) AI-5 (11) aiatolá Khomeini (1) Ajuda aos Desabrigados Rio (2) ajuste recessivo (4) Alba (5) Albert Einstein (1) Albert Speer (1) Alberto Goldman (4) Alberto Piovesan (2) Alberto Torregiani (2) Alberto Youssef (1) Alckmin (2) Aldo Rebelo (13) ALERJ (3) Alexandre Padilha (2) Alexandre Vannucchi (2) Alexandre Vannuchi Leme (1) Ali Kamel (1) Alianças Eleições (21) Allende (3) ALN (9) alterações climáticas (8) Aluizio Palmar (1) Amazônia (6) América Central (24) América do Sul (40) América Latina (38) Amor (1) Ana Helena Tavares (35) anarquismo (4) André Esteves (1) André Singer (1) Andy Warhol (1) ANFF (5) Angela Merkel (2) Angra (5) Angra 1 (1) Anísio Texeira (1) Anistia (95) Anistia Internacional (3) Anita Garibaldi (1) Anita Leocadia (1) Ano Novo (4) anos de chumbo (47) Antonio Nogueira da Silva Filho (1) Antonio Patriota (1) Antonio Prestes de Paula (1) Antônio Roberto Espinosa (1) Ao Pé do Muro (2) Apagão (4) Aparício Torelly (1) Apolônio de Carvalho (2) Aposentados (3) aquecimento global (7) Araguaia (29) arapongas (2) arbítrio (1) Arena (2) Argentina (15) Arlindo Cruz (4) Armando Monteiro (1) Armando Nogueira (1) arrocho fiscal (7) Arruda (83) Arthur José Poerner (1) Árvore da Lagoa (1) Ary Toledo (1) Assange (1) atentado do Riocentro (2) atentado do WTC (1) Atentado em Moscou (1) Átila (1) Auditória Cidadã da Dívida (1) Augusto Boal (3) Augusto Pinochet (4) Aumento Tarifas (2) autoritarismo (1) Ayres Britto (1) Ayrton Senna (1) Bacuri (1) Baixada Fluminense (2) Banco Central (1) Banco Santos (1) Bancos (3) Barack Obama (1) Barcas SA (1) Bartolomeo Vanzetti (3) Bases Americanas (2) Bashar al-Assad (7) basquete (1) Batalha de Itararé (2) Batismo de Sangue (4) BBB (3) beagles (1) Belo Monte (13) Benito Di Paula (1) Bento XVI (2) Bertold Brecht (1) Bertold Brecht (5) Bia Grabois (4) Bíblia (1) Bilhete Único (1) Biografia (1) biografias não autorizadas (2) black blocs (5) Blocos (18) Blogosfera (11) blogues (2) Bloqueio Cuba (10) BNDES (3) Boal (3) Bob Dylan (1) Bobby Sands (1) bolchevismo (1) Bolívar (9) Bolívia (6) bolsa-agronegócio (1) bolsa-banqueiro (1) bolsa-empresário (1) Bomba Atômica (2) bombeiros (1) Boris Casoy (5) boxe (1) Bradesco (7) Bradley Manning (4) Brasil (58) Brasil de Fato (5) Brasília (106) Brecht (5) Brilhante Ustra (22) Buena Vista Social Club (1) Bullying (1) Bund (1) Cabo Anselmo (3) cabo Povorelli (1) caça às bruxas (1) Caco Barcellos (2) Caetano Veloso (5) Caio Prado Junior (3) Câmara dos Deputados (8) Câmara Federal (1) Câmara Legislativa DF (3) Camboja (1) Campanhas (10) Canadá (1) Candeia (1) Candidatos (1) Cansei (2) Canudos (1) Caos Aéreo (1) Capinam (1) Capital Inicial (1) Capitalismo (103) Capitão Guimarães (2) Carga Tributária (5) Carlinhos Cachoeira (1) Carlos Eugênio Paz (13) Carlos Franklin Paixão de Araújo (1) Carlos Gardel (1) Carlos Giannazi (8) Carlos Heitor Cony (3) Carlos Lacerda (6) Carlos Lamarca (23) Carlos Lungarzo (28) Carlos Lyra (1) Carlos Marighella (19) Carnaval (35) Carnaval 2011 (7) Caros Amigos (12) Carrefour (1) Carta Capital (15) Carta Maior (1) CartaCapital (4) Cartola (2) Carvalho Pinto (1) Casa da Morte de Petrópolis (2) Casa Morte Petrópolis (2) casamento civil igualitário (2) Caso Dreyfus (3) Caso Sean (1) cassação (5) Castello Branco (2) Castro Alves (1) Catástrofes (1) Cazuza (2) CBF (4) CCC (1) CCLCP (3) CDDPH (1) Cecac (3) Cecilia Meireles (1) Celso Amorim (6) Celso Luiz Pinho (2) Celso Lungaretti (583) Celso Russomanno (1) Cemitério Perús (2) Censura (20) Centro Cultural Antônio Carlos Carvalho (2) Cesar Maia (2) César Roldão Vieira (1) Cesare Battisti (83) Cezar Peluso (27) Chacina da Lapa (1) Charge (5) Charles De Gaulle (2) Charles Gordon (1) Charles Manson (1) Charlie Hebdo (2) Chaves (5) Che Guevara (13) Chernobil (2) Chevron (1) Chico Alencar (231) Chico Buarque (9) Chico de Assis (1) Chico Mendes (1) Chico Whitaker (1) Chile (21) China (2) Choque de Ordem (3) Chuvas (15) Chuvas Verão (15) CIA (5) Cícero Araújo (1) Cid Benjamim (4) Cidadania (28) Cidadão Boilesen (5) Cidade da Música (3) Cidade do Samba (1) Cidade Maravilhosa (1) CIMI (1) Cinema (57) Clarisse Linspector (1) Claudio Abramo (3) Cláudio Antônio Guerra (1) Cláudio Marques (1) cláusula de barreira (1) Clécio Luís (2) Clima (1) Clive Barker (1) Clóvis Rossi (3) Clube Militar (5) Código Florestal (33) COI (1) colégios militares (1) Colina (2) Collor (1) Colombia (4) Coluna Prestes (1) Comboio Humanitário (1) Comício da Central (2) Comissão da Verdade (67) Comissão de Anistia (10) Comissão de Direitos Humanos (1) Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos (1) Comuna de Paris (5) Comunicação (16) Comunismo (93) Conare (1) Conclat (1) Condições de Trabalho (7) Condor (16) Confecom (2) Congresso (136) Congresso em Foco (4) Consuelo de Castro (1) Consumismo (5) Contas Publicas (2) contestação (1) contrarrevolução (3) COP 15 (6) Copa 2010 (16) Copa 2014 (26) Copa 70 (1) Copa do Mundo (12) Copacabana (4) Coréia do Norte (1) Corinthians (2) Coronel Telhada (1) Corrupção (16) Corte Interamericana de Direitos Humanos (1) Cosan (1) Cotas (3) cotas raciais (4) CPEM (1) CPI (3) CPI Armas (2) CPI Cahoeira (1) CPI Dívida Pública (3) CPI MST (3) CPMF (4) CPT (1) CQC (1) cracolândia (7) Crescimento (1) Crianças (2) crime contra a humanidade (1) Criméia Almeida (1) Crise (2) crise dos mísseis cubanos (1) Crise Econômica (10) Crise Financeira Grécia (4) Cristiano Machado (1) Cristina Kirchner (2) Cristo Redentor (1) CSA (3) Cuba (65) Cultura (83) Cumpra-se (1) CumpraSE (13) curandeirismo (1) Curió (2) Curso NPC (1) Curta Metragem (3) CUT (2) D. Flávio Cappio (2) D. Helder Câmara (1) D. Paulo Evaristo Arns (3) D. Pedro I (1) Dª Solange (1) Dalai Lama (1) Dalmo Dallari (11) Dalmo de Abreu Dallari (1) Dalton Rosado (1) Daniel Aarão Reis (1) Daniel Bensaid (1) Daniel Dantas (2) Dante de Oliveira (1) Darcy Ribeiro (3) Darcy Rodrigues (1) Debate (13) Decoro Parlamentar (2) Defesa do Consumidor (1) Delcídio do Amaral (1) Delfim Netto (6) DEM (94) Demarcação (3) Democracia (37) Democratização da Comunicação (2) Demostenes Torres (1) Denis de Moraes (3) Dènis de Moraes (1) Dênis de Moraes (1) deportação (3) Desabastecimento (1) Desabrigados (3) Desafia o Nosso Peito (1) Desaparecidos (61) DesarquivandoBR (106) Desastre Ecológico (4) Descaso (1) Desemprego (4) Desenvolvimento (11) Desigualdade (67) desigualdade econômica (1) desigualdade social (1) Deslizamentos (1) Desmatamento (7) Detran Rio (1) Devanir José de Carvalho (1) Dia do Trabalho (4) Dia Internacional da Mulher (7) Dia Mundial do Rock (1) DIAP (1) Dilma Rousseff (110) Diógenes Carvalho (1) Direita (10) Direito (1) Direito Consumidor (3) Direito Mulheres (2) direitos (2) Direitos Humanos (54) direitos previdenciários (1) direitos trabalhistas (2) diretas-já (8) Discurso da Constituição de 88 (1) Disney (1) Distribuição Renda (2) ditabranda (17) Ditadura (145) Ditadura Argentina (3) Ditadura Midiática (7) Ditadura Militar (388) Diversidade (1) Dívida Externa (6) Dívida Pública (22) Django (1) Doações Ocultas (6) Doações Região Serrana (2) Documentário (21) DOI-Codi (22) Dolores Ibarruri (1) Dom Cappio (3) Dom Paulo Arns (3) Dom Pedro Casaldáliga (2) Domingos Dutra (3) Dominicanos (1) dona Solange (1) Donald Trump (2) Dorothy Stang (3) Dow Chemical (1) Drogas (1) Drummond (20) Dulce Maia (1) Dunga (2) Eblog (3) Ebola (1) ECA (2) Ecologia (55) Economia (56) Econômica (1) Edemar Cid Ferreira (1) Eder Jofre (1) Edgar Allan Poe (1) Ediardo Leite.Livro (1) Edifício Joelma (1) Edir Macedo (1) Ednardo D'Ávila Melo (1) Edu Lobo (1) Eduação (2) Eduard Bernstein (1) Eduardo Campos (6) Eduardo Cunha (5) Eduardo Galeano (3) Eduardo Gomes (3) Eduardo Leite (2) Eduardo Paes (20) Eduardo Sabóia (1) Eduardo Suplicy (7) Educação (52) Educação Inclusiva (4) educação religiosa (1) Edward Snowden (9) Egito (5) Eike Batista (1) Eldorado Carajás (1) Eleições (67) Eleições 2010 (249) Eleições 2012 (12) eleições 2014 (28) eleições 2016 (1) Eleonora Menicucci de Oliveira (1) Eliane Cantanhêde (2) Eliane Cantenhêde (1) Elio Gaspari (6) Eliomar Coelho (47) Elis Regina (2) Elite (7) Elly Ramos (1) Emerson Fittipaldi (1) Emílio Médici (2) Emir Sader (4) Emprego (2) Enchente (8) Endividamento (1) Energia (3) Energia Elétrica (2) Energia Nuclear (7) ENFF (15) Enquete (2) Enzo Peri (1) episódio algoz e vítima (2) Epoca (1) Época (1) Equador (4) Erasmo Carlos (1) Erasmo Dias (1) Eremias Delizoicov (4) Ernesto Geisel (4) Ernst Jünger (1) Escola das Américas (3) Escola Pública (4) escracho (2) Espaço Urbano (1) Espanha (2) Especulação Imobiliária (4) espionagem (5) Esquerda (70) Estabilidade Social (1) Estado Islâmico (1) Estado Laico (3) Estado Novo (1) Estado Palestino (5) Estatuto do Idoso (3) estelionato (2) ETA (2) Eternamente Vice (1) Ethel Rosenberg (1) EUA (50) Eurico Gaspar Dutra (2) Europa (11) eutanásia (1) Evandro Teixeira (1) Evento Cultural (6) Evento Universal (1) Evo (1) Evo Morales (4) Exclusão (1) Extradição (36) Fabiana Leibl (1) Fábio Konder Comparato (4) Fabrício Chaves (2) Facebook (2) Facismo (2) Faixa Livre (1) fanatismo (1) fanatismo religioso (2) Fator Previdenciário (3) Fausto de Sanctis (2) Fausto Silva (1) Favelas (8) Fazendo Media (2) FBI (1) Febeapá (2) Feed (1) Feira do Livro de Frankfurt (1) Felipão (2) Fernanda Ikedo (1) Fernando Claro (1) Fernando Collor (12) Fernando Gabeira (1) Fernando Haddad (4) Fernando Lugo (3) Fernando Pessoa (3) Ferreira Gullar (2) Festivais (2) FHC (8) FIC (1) Ficha Limpa (40) Fidel (6) Fidel Castro (6) Fiesp (1) FIFA (4) Filinto Muller (1) Financiamento Campanhas (4) Fino da Bossa (1) Flamengo (14) Flasko (2) Flavio Molina (1) Flavio Tavares (1) Florestan Fernades (1) Florestan Fernandes (3) FMI (5) Fogaça (1) Folha de S. Paulo (31) Força Pública (1) Fórum Privilegiado (1) Fórum Social Mundial (5) Fórum Social Urbano (5) Fotos (1) Francis Ford Coppola (1) Francisco Franco (2) Francisco Hardman (1) Francisco Oliveira (1) Franco Nero (1) François Mitterrand (1) Frases revolucionárias (2) Fred Vargas (3) Frei Betto (9) Frei Fernando (1) Frei Tito (4) Frente de Esquerda (2) Freud (1) Friedrich Engeles (3) Friedrich Engels (1) Friedrich Nietzche (1) Fukushima (8) Funai (1) Fundação Lauro Campos (81) Fundação Sarney (1) Futebol (43) gabinete de crise (1) Gal Costa (1) Garrincha (1) Gastone Righi (1) Gastos (1) Gaza (12) Genéricos (1) Gengis Khan (1) Genocídio (4) George Harrison (1) George Hilton (2) Geprge W. Bush (1) Geraldo Alckmin (24) Geraldo Vandré (6) Gershon Knispel (1) Gerson Theodoro de Oliveira (1) Getúlio Vargas (10) Gianfrancesco Guarnieri (1) Giannazi (1) Gil (2) Gilberto Carvalho (2) Gilberto Freyre (1) Gilberto Gil (3) Gilberto Kassab (4) Gilmar Mendes (27) Gilmar Rinaldi (1) Gilson Dipp (1) Giocondo Dias (1) Giordano Bruno (1) Giuseppe Lampedusa (1) Glauber Rocha (2) Globalização (2) Goethe (1) Golbery do Couto Silva (1) Goldman (1) Golfo do México (2) Golpe 1964 (19) golpe de 1964 (1) golpe de 1964 x 50 anos (6) Golpe de Estado (8) golpismo (1) governo de união nacional (1) Governo Dilma (19) Grace Mendonça (1) Gramsci (5) Grécia (3) Greenpeace (8) Gregório Bezerra (1) Gregório Duvivier (1) Gregóto Bezerra (1) Greve Professores SP (5) Grigori Zinoviev (1) Gripe H1N1 (1) Grito do Excluídos (9) Grupo Revelação (1) Grupo Toque de Arte (2) GTNMRJ (5) Guantanamo (2) Guantánamo (5) Guarda Civil (1) Guerra (6) guerra da lagosta (2) guerra do Vietnã (1) Guerra Iraque (1) guerrilha do Araguaia (2) guerrilha do Vale do Ribeira (2) guerrilha urbana (1) Guilherme Boulos (5) Habitação (4) Haiti (28) Harry Shibata (2) Helenira (1) Heleny Guariba (2) Helio Bicudo (1) Hélio Bicudo (4) Heloisa Helena (10) Henfil (1) Henning Boilesen (1) Henrique Meirelles (1) Henrique Pizzolatto (1) Henry Sobel (1) Herbert Marcuse (2) Hexa Campeão (8) Hillary Clinton (3) Hino da Internacional Comunista (1) Hip Hop (3) Hiroshima (4) História (34) Hitler (1) Homofobia (5) Honduras (13) Horário eleitoral (1) Hugo Chávez (14) Iara Iavelberg (1) IBGE (1) Ideologia (6) Idiotices TV (1) Igor Tamasauskas (1) Igreja Católica (5) Igreja Universal (4) Iluminação Pública (7) imigrantes (2) Immanuel Wallerstein (1) impeachment (27) Imperialismo (81) Império Romano (1) Império Serrano (1) Impostos (10) Imprensa (5) Impunidade (3) Incêndio (2) Inclusão (55) Inconfidência Mineira (3) indenizações (1) Índia (1) indignação (2) indignados (16) Índio da Costa (3) indústria cultural (5) Industria Farmaceutica (1) Inês Etienne Romeu (1) Informação (17) Inglaterra (3) Inquisição (1) Instituto Royal (1) Instituto Zequinha Barreto (1) insubmissão militar (1) Intentona Comunista (1) Internet (6) Intersindical (1) Intolerância (4) Invasão PUC (2) Ipea (2) Irã (7) Iraque (2) IRPF (1) Israel (25) IstoÉ (1) Itália (3) Itamar Assumpção (1) Itamar Franco (2) Itamaraty (2) Itaú (1) Ivan Pinheiro (13) Ivan Seixas (2) Ivan Valente (56) Ives Gandra Martins (5) Ivo Herzog (2) Jabasta (2) Jabour (1) Jacob Gorender (3) Jader Barbalho (1) Jair Bolsonaro (4) Jair Rodrigues (2) James Petras (1) James Wright (1) Jango (9) Jânio de Freitas (5) Jânio Quadros (8) Janira Rocha (5) Japão (4) Jaques Wagner (1) Jarbas Passarinho (5) Jari José Evangelista (1) Jean Wyllys (4) Jean-Luc Godard (1) Jefferson Moura (7) Jesus Cristo (3) Jethro Tull (1) Jimmy Carter (1) Jirau (1) Joan Baez (1) João Amazonas (1) João Baptista Figueiredo (2) João Cabral do Melo Neto (1) João Candido (3) João Goulart (14) João Grandino Rodas (3) João Paulo Cunha (2) João Pereira Coutinho (1) João Santana (1) Joaquim Barbosa (6) Joaquim Câmara Ferreira (4) Joaquim Cerveira (1) Joaquim Levy (23) Joaquim Nabuco (1) Jobim (1) Joe Hill (1) Joge Ben (1) Jogos Olímpicos Inverno (1) John Kennedy (2) John Lennon (1) Johnny Alf (1) jornada de trabalho (2) Jornalismo (20) Jornalismo Cultural (1) José Campos Barreto (1) Jose Celso Martinez (1) José Eduardo Cardozo (3) José Genoíno (5) José Maria Filho (1) José Maria Marin (5) José Milbs (1) José Mujica (1) José Nery (3) José Padilha (1) José Raimundo da Costa (2) José Sarney (11) José Serra (22) José Tóffoli (2) José Wellington Diógenes (1) Joseba Gotzon (3) Joseíta Ustra (1) Joseph Goebbels (4) Joseph Stalin (8) Juarez Guimarães de Brito (3) Juca Kfouri (1) Judas Iscariotes (1) juiz Sérgio Moro (1) julgamento de Nuremberg (3) Julian Assange (4) Juliano Medeiros (1) Julio Barroso (1) Julius Martov (1) Julius Rosenberg (1) Junho (7) Juros (4) Juscelino Kubitschek (1) Justiça (12) Karl Leibknecht (1) Karl Marx (36) Kassab (5) Kátia Abreu (4) Kevin (3) kibbutz (1) Kim Jong-il (1) Kim Kataguiri (1) L F Verissimo (3) Laerte Braga (1) Lamarca (3) Lamentável (5) Latuff (2) lavagem cerebral (1) Lawrence da Arábia (1) Leandro Fortes (1) Leandro Konder (3) Legião Urbana (1) Lei da Anistia (10) Lei da Ficha Limpa (1) Lei de Anistia (3) Lei Falcão (2) Lei Geral da Copa (2) Lei Rouanet (2) Leminsk (4) Lenin (4) Lênin (5) Lennin (1) Leo Lince (14) Leon Trotsky (8) Leonardo Boff (3) Leonel Brizola (15) Leônidas de Esparta (1) LER-QI (1) Lev Kamenev (1) LGBT (3) liberdade (10) Liberdade de Expressão (10) Libertadores (2) Líbia (9) Ligas Camponesas (3) Ligth (1) Lilian Celiberti (1) Limite de Terras (5) Lindenberg (2) Literatura (16) Literatura Indígena (7) Livraria Expressão Popular (1) Livro dos Heróis da Pátria (1) Livro sem Fronteiras (1) Livros (29) Lo Borges (1) Lonas Culturais (1) Lorca (1) Lourenço Diaféria (1) LSN (1) Lucia Hippollito (1) Lucia Murat (2) Luciana Genro (8) Lucro Bancos (9) Luís Alberto de Abreu (1) Luís Carlos Trabuco (6) Luis Claudio Cunha (1) Luís Nassif (1) Luiz Carlos Azenha (1) Luiz Carlos Prestes (1) Luiz Eduardo Greenhalgh (1) Luiz Eduardo Merlino (3) Luiz Eduardo Soares (1) Luiz Fux (1) Luiz Maklouf (2) Luiz Ruffato (1) Luíza Erundina (1) Luka Franca (1) Lula (45) Lungaretti (76) Luta Armada (3) luta de classes (1) Lyndon Johnson (2) macartismo (2) maconha (1) máfia dos ingressos (1) Mahatma Gandhi (1) Mahmoud Ahmadinejad (2) Maiakovski (3) Mais Médicos (2) Major Curió (1) Maluf (1) Malvinas (2) Mandela (1) Manoel Henrique Ferreira (1) Manuel Fiel Filho (1) Manuel Zelaya (1) Mao Tsé-Tung (3) Maracanã (3) maracutaia (1) Maranhão (5) Marcelo Crivella (1) Marcelo Freixo (91) Marcelo Paiva (1) Marcha da Família (3) Marcha da Liberdade (3) Marcha da Maconha (2) Márcio Moreira Alves (1) Marco Antonio Villa (2) Marco Antonio Zago (1) Marco Aurélio Garcia (1) Marco Aurélio Mello (4) Marco Civil (2) Marco Feliciano (2) Marco Polo Del Nero (1) Marcos Nunes Filho (1) Marcos Wilson Lemos (1) Marcus André Melo (1) Margaret Thatcher (4) Margareth Thatcher (1) Margarida Pressburger (1) Marguerite Laurent (1) Maria Alice Setubal (1) Maria Augusta Tibiriça Miranda (1) Maria Bethânia (1) Maria da Conceição Tavares (1) María da Conceição Tavares (1) Maria do Carmo Brito (1) Maria do Rosário (6) Maria Esther Bueno (1) Maria Rita (2) Mariana Baltar (3) Marighella (34) Marina Silva (24) Marinor Brito (1) Mario Alves (4) Mário Alves (1) Mário Cesariny de Vasconcelos (1) Mário Faustino (1) Mario Maestri (5) Mario Marsillac (1120) Mário Sérgio Conti (1) Mario Vargas Llosa (4) Marketing (1) Martin Scorcese (1) Marxismo (28) Mary Shelley (4) massacre de My Lay (1) Massafumi (1) Massafumi Yoshinaga (2) Massufani (1) Maurício Costa (1) Mauricio Grabois (3) Mauricio Hernandez Norambuena (4) Mauro Iasi (5) Mauro Santayana (1) Max Horkheimer (1) MDB (1) MEC (1) Medalha Chico Mendes (2) Médici (1) Medicina (3) médicos cubanos (5) Megaeventos (3) Megaupload (1) Meio Ambiente (89) Meirelles (1) Memória e Verdade (204) Memorial da Resistência (1) Memórias de uma guerra suja (1) mensalão (19) Mensalão do DEM (126) Mensalão Tucano (4) Mercado de Trabalho (4) Mercedes Sosa (1) Mercosul (1) Michael Burawoy (2) Michael Moore (5) Michel Temer (10) Michelangelo Buonarroti (1) Mídia (85) Mídia Alternativa (20) Mídia Golpista (14) Miguel Arraes (2) Miícias (1) Milagre Econômico (1) Milícias (2) Militares Legalistas (1) Millor (1) Milton Friedman (5) Milton Nascimento (1) Milton Temer (14) Minas Gerais (6) Ministério dos Esportes (1) Mino Carta (6) Miriam Leitão (1) Modecon (1) Molina Dias (1) Mônica Bergamo (1) monopolização (1) Monsanto (1) Monteiro Lobato (5) Moradia (6) Morena-CB (1) Morro da Providência (1) Morro dos Cabritos (1) mortos e desaparecidos políticos (2) Mossad (1) Mostra e Seminário Cinema e Política (1) movimento estudantil (4) movimento negro (1) Movimento Passe Livre (4) Movimento sindical (8) Movimentos Sociais (143) MPB (19) MPB 4 (1) MPL (1) MR-8 (1) MR8 (1) MST (20) MTST (2) Muammar Gaddafi (9) Muhammad Ali (1) Mulher (7) Multas (1) Mundial de 2014 (1) Mundo (3) Municípios (1) muro de Berlim (1) Museu (1) Museu do Índio (2) Música (50) Músicas Revolucionárias (4) My Lai (1) Nagasaki (1) Não Violência (5) Nara Leão (1) Narcotráfico (2) Nasser (1) Natal (4) Náufrago da Utopia (3) nazismo (4) Neil Young (3) Nelson Jobim (10) Nelson Mandela (1) Nelson Piquet (1) Nelson Rodrigues (1) neo-pentecostais (1) neofascismo (5) Neoliberalismo (36) Nestor Cerveró (1) Nestor Kirchner (1) Newton Cruz (1) Niara de Oliveira (1) Nicaragua (2) Nicola Sacco (3) Nicolás Maduro (2) Nicolau Maquiavel (1) Nikita Kruschev (1) Nikolai Bukharin (1) Niterói (1) Nobel da Paz (2) Noel Rosa (1) Nordeste (5) Norman Mailer (1) Noruega (1) NPC (45) O Estado de S. Paulo (5) O Globo (2) O Gobo (1) o que é feed (1) OAB (6) OAB RJ (1) Obama (16) Observatório da Imprensa (1) Ódio (1) OEA (7) Olavo Hanssen (1) Olavo Setubal (1) Olga Benário (1) Oligarquias (2) Olimpíadas (18) Olímpio Mourão Filho (1) Olívia Byington (1) ombudsman (5) Ônibus (1) ONU (5) Operação Condor (4) Operação Lava-Jato (9) Operação Satiagraha (3) Operção Escorpião (1) oposição (1) Opportunity (1) Opus Dei (9) Orçamento 2012 (1) Oriente Médio (17) Orlando Lovecchio Filho (1) Osama Bin Laden (6) OSB (1) Oscar Espellet (2) Oscar Niemeyer (1) Oscar Schmidt (1) ossadas de Perus (1) Otávio Frias Filho (2) Outono (1) Pablo Emanuel (13) Pablo Escobar (1) país basco (1) Palestina (10) palestinos (5) Panetoneduto (90) Pão de Açúcar (1) papa Francisco (4) Paquistão (1) Paraguai (5) Paraná (2) Parlamento Europeu (1) Partido Pirata Sueco (1) Partidos comunistas (14) Partidos Políticos (17) Pascual Serrano (1) Passe Livre (11) passeata dos 100 mil (1) pastor Feliciano (2) Paul Simon (1) Paul Singer (1) Paulinho da Viola (4) Paulo Caruso (1) Paulo Cesar Pinheiro (1) Paulo César Saraceni (1) Paulo de Tarso Venceslau (3) Paulo Francis (5) Paulo Freire (4) Paulo Henrique Amorim (2) Paulo Lacerda (1) Paulo Malhães (7) Paulo Maluf (8) Paulo Octávio (7) Paulo Passarinho (18) Paulo Piramba (1) Paulo Roberto Costa (3) Paulo Sérgio Pinheiro (1) Paulo Skaf (1) Paulo Vannuchi (7) Paulo Vanzolini (2) PCB (67) PCBR (6) PCdoB (4) PCI (1) PCO (4) PDS (1) PDT (3) PEC 60 (1) Pedágios (1) pedaladas fiscais (2) Pedofilia (3) Pedro Pomar (1) Pelé (1) Pergaminhos (1) perseguidos políticos (3) Pérsio Arida (2) Perú (1) Pesquisa IBGE (1) Pesquisas Eleitorais (2) Pete Townshend (1) Petrobras (3) Petrobrás (5) petrolão (5) Petróleo (7) PF (1) PFL (1) Philip Agee (1) Pichação Cristo Redentor (1) Pierre-Joseph Proudhon (2) Pietro Mutti (1) Pinheirinho (22) Pink Floyd (1) Pinochet (3) Pio XII (1) Plínio de Arruda Sampaio (100) Plínio Marcos (1) PM (29) PMDB (13) PNAD (1) PNDH (29) PNDH-3 (3) PNE (5) Poemas (1) Poemas de Maria Christina (3) Poesia (60) Pol Pot (2) Políca Econômica (9) Polícia Federal (1) Política (339) Política Externa (7) politicamente correto (3) Políticas Públicas (2) Poluição (1) Pôncio Pilatos (1) População Indígena (7) Pornografia Infantil (1) Portela (2) Porto Alegre (2) pós-modernismo (1) Povos Indígenas (5) Pré Sal (2) pré-sal (1) Preconceito (10) presos políticos (1) Prestes (10) Previdência (2) Primavera Árabe (2) Primavera de Paris (3) Primavera de Praga (4) privataria (3) Privatização (5) Privatização Educação (1) privatizações (4) procurações forjadas (2) Pronatec (1) Propaganda (2) propinoduto (4) Propriedade Intelectual (1) Protógenes Queiroz (1) Proudhon (1) PSB (2) PSDB (20) PSOL (572) PSTU (15) PT (67) PTB (2) PUC (1) Qualidade da Águe (1) quatro de Salvador (3) queda da Bastilha (1) Queen (1) Quentin Tarantino (1) Quintana (7) racionamento de água (1) Racismo (8) Radio Agência NP (10) Rádio Livre (1) Rafael Braga Vieira (2) Rafael Correa (1) Randolfe Rodrigues (7) Raul Amaro Nin Ferreira (1) Raul Castro (1) Raul Seixas (6) Raymundo Araujo (1) RDD (3) Reajuste Professores (1) Reajuste Tarifas (2) Receita Federal (1) Recessão (16) Rede Globo (10) Reflexões (57) Reforma Agrária (43) Reforma Política (11) Reforma Saúde EUA (2) Reforma Tributária (2) Reforma urbana (7) Reformas de Base (2) reformismo (3) Refúgio (31) refundação da esquerda (1) Região Serrana Rio (1) Regulamentação (1) Regulamentação da Mídia (2) Reinaldo Azevedo (16) Reino Unido (2) Religião (10) remédios (1) Renan (5) Renan Calheiros (3) Renato Russo (1) renúncia (6) Repressão (79) República de Weimar (1) Resenha (2) Reservas Indígenas (1) Resistência (221) retroativo (1) revista Piauí (1) revolta árabe (7) Revolta das Chibatas (3) Revolução (33) Revolução Cubana (8) Revolucao Espanhola (1) Revolução Francesa (1) revolução internacional (1) Revolução Russa (4) Revolução Soviética (1) Revolutas (16) Ribamar Bessa (1) Ricardo de Albuquerque (1) Richard Nixon (2) Rio (110) Rio 2016 (3) Rio de Janeiro (68) Rio Grande do Sul (2) Rita Barreto (2) Robert Louis Stevenson (1) Roberto Carlos (2) Roberto Freire (1) Roberto Gurgel (1) Roberto Macarini (1) Roberto Setúbal (1) Roberto Teixeira (1) rock (1) Roda Viva (1) Roger Pinto (1) Roger Waters (1) rolezinhos (3) Roman Polanski (1) Romário (2) Romenia (1) Ronald Reagan (3) Roriz (2) Rosa Luxemburgo (5) Rota (14) Royalties do pre-sal (9) Rubens Lemos (1) Rubens Paiva (6) Rubim Aquino (3) Rui Falcão (5) Rui Martins (4) Rússia (3) Sacco e Vanzetti (1) Saddam Hussein (2) Saistema de Saúde (1) Sakineh (5) salário-mínimo (2) Salários (4) Salvador Allende (7) Samba (18) Sandino (1) Saneamento (2) Santiago Andrade (2) Santo Antonio (1) Santo Dias (1) São Francisco (2) São Paulo (18) São Sebatião (1) Saramago (3) Sarney (6) Satiagraha (1) Saúde (13) Saúde pública (9) Saulo Carvalho (2) Sede UNE (2) SEDH (1) Segurança Pública (19) Seleção Brasileira (13) Sem Classificação (97) Senado (5) Sérgio Cabral (12) Sergio Corbucci (1) Sergio Fleury (4) Sérgio Fleury (1) Sérgio Ricardo (3) Serra (12) Sigilo Informações (1) Silvio Berlusconi (9) Sílvio Frota (1) Silvio Tendler (6) símbolos religiosos (1) Simon Bolivar (2) Simpatia (9) sinalizador (1) Sintusp (1) sionismo (5) Síria (7) Sirlei (3) Sistema Financeiro (6) sites fascistas (1) Skank (1) SNI (1) Soberania (9) Socialismo (135) socialismo num só país (1) sociedade (6) Sócrates (2) Solidariedade (32) Sonegação (2) Spartacus (2) Stalin (3) Stanislaw Ponte Preta (1) STF (82) STJ (7) STM (1) Stuart Angel (2) Suely Vilela Sampaio (1) Sumpermercados (1) Superavit Primário (1) Supertramp (2) Supervia (1) Suriname (2) SUS (1) Suzana Singer (1) T. E. Lawrence (1) Tancredo Neves (3) Tarifas (2) Tarso Genro (11) Taxa Iluminação Pública (1) Teatro (7) Teatro de Arena (1) tecnologia (2) Teles (1) Telesur (1) Telma Regina (2) terceirização (1) Teresa Lajolo (1) Tereza Cruvinel (1) Ternuma (1) Terremoto (1) Terremoto Chile (1) terrorismo (5) TFP (3) The Animals (1) Theodor Adorno (1) Thomas Piketty (1) Three Mile Island (1) Tim Jackson (1) Tim Maia (1) Tiradentes (6) Tom Jobim (1) Tom Zé (1) Tomasso Buscetta (1) Tony Cliff: (1) Top Blog 2010 (11) Top Blog 2011 (11) Torquato Neto (2) Torquemada (2) Tortura (41) Tortura Nunca Mais (2) torturadores (54) torturas (3) Trabalhador (7) Trabalho e Renda (1) Trabalho Escravo (14) traficantes (1) Trafico de Armas (1) Tragédia (2) Transgenicos (1) Transparência Brasil (2) Transporte Público (2) Transporte Urbano (7) transposição (2) Trens (1) Tribunal Bertrand Russell (1) Tropa de Elite (3) tropicalismo (1) Trotsky (2) TSE (3) TSE. TCU (1) Tuma Jr (2) Turquia (1) TV Aberta (1) TV Assinatura (1) TV Brasil (1) TV Câmara (2) TV Pública (2) Twiter (1) Ubes (1) Ucrânia (1) Ulysses Guimarães (1) Unasul (1) UNB (1) UNE (5) Unesco (1) União Européia (4) Universidade da Califórnia (1) Universindo Dias (1) UPAS (1) UPP (4) Uraniano Mota (4) URSS (6) Usinas Nucleares (2) USP (22) Vake (1) Vale (2) Vandré (2) Vanessa Gonçalves (1) VAR-Palmares (14) Vasco (1) Vaticano (4) Veja (11) vemprarua (1) Venezuela (23) Vera Silvia Magalhaes (1) Verão (2) Via Campesina (1) Viagra (3) Vice (2) Victor Jara (11) Vídeos (24) Vigílio Gomes da Silva (1) Vila Isabel (1) Vinícius (8) Vinícius de Moraes (1) Vinícius Torres Freire (1) Violência (16) Violência no Campo (5) violência policial (1) Violeta Parra (2) Virgílio Gomes da Silva (1) Visconti (1) Vitor Nuzzi (1) Vladimir Arras (1) Vladimir Herzog (10) Vladimir Lênin (1) Vladimir Palmeira (1) Vladimir Safatle (6) Voto Aberto (1) Voto em Lista (1) VPR (20) Walt Disney (1) Walter Alfaiate (2) Walter Maierovitch (3) Walter Silva (1) Washington Olivetto (2) Weber (1) Wellington Menezes (1) western (1) Wikileaks (8) William Shakespeare (1) Winston Churchill (1) Xingú (2) Yakov Protazanov (1) Yoani Sánchez (2) Zé Celso (1) Zé Dirceu (7) Zelaya (11) Zilda Arns (1) Zuenir (1) Zumbi (1)